O Poder Judiciário pós-pandemia e o Juízo 100% digital

Home / O Poder Judiciário pós-pandemia e o Juízo 100% digital

O Poder Judiciário pós-pandemia e o Juízo 100% digital

 

O Conselho Nacional de Justiça aprovou por unanimidade em sua 319ª sessão ordinária o texto da resolução que regulamentará o “Juízo 100% digital”, autorizando, portanto sua implementação por todos os Tribunais. O acórdão foi publicado nesta manhã (07/10/2020)1.

Na forma do parágrafo único do artigo primeiro da citada resolução: “No âmbito do “Juízo 100% Digital”, todos os atos processuais serão exclusivamente praticados por meio eletrônico e remoto por intermédio da rede mundial de computadores”.

Uma vez implantado pelos Tribunais, a adoção do formato “100% digital” pelas partes, no primeiro momento, será facultativa. O demandante fará a opção pelo formato no ato da distribuição da ação, podendo o demandado se opor no momento da contestação.

Em seu voto, o Presidente do Conselho Nacional de Justiça, Ministro Luiz Fux, justificou a medida nos seguintes termos:

Como é de conhecimento geral, as inovações tecnológicas entrarão em cena para a transformação revolucionária da prestação jurisdicional, sem olvidar a coexistência com o trabalho humano. Em tempos de restrições orçamentárias, soluções criativas, de baixo custo, porém com alto impacto estrutural, precisam ser estimuladas.

O Poder Judiciário tem se reinventado nos últimos anos ao ingressar na era digital. No futuro, os fóruns não necessitarão de espaços físicos, pois todos os serviços serão oferecidos on-line. Isso tende a diminuir muito as despesas, pois tudo estará disponível na Internet. O alinhamento entre a inteligência humana e artificial também melhorará o gerenciamento de processos e de recursos humanos. Os robôs realizam em segundos o trabalho de centenas de funcionários.

Também é cediço que a pandemia do coronavírus testou a capacidade de resiliência institucional do Poder Judiciário como nunca em nossa história contemporânea. Com velocidade e senso de adaptação, conseguimos prestar jurisdição ininterruptamente com ganho de produtividade por meio da utilização da tecnologia. À guisa de exemplo, apenas o Tribunal de Justiça de São Paulo produziu, até o momento, mais de 15,4 milhões de atos processuais, com o registro de 4 milhões de acessos remotos.

Assim, temos sido simultaneamente espectadores e protagonistas de uma das maiores transformações da história da humanidade: o sepultamento da era analógica e o resplandecer da era digital, em que o big data se torna a fonte principal de produção de dados públicos.

(Processo CNJ 0007913-62.2020.2.00.0000, publicado em 07/07/2020, Rel. Min. Luiz Fux.)

No ano de 2020, em decorrência da Pandemia do COVID-19, o Judiciário, experimentou o fechamento integral de suas estruturas físicas desde o mês de março, que apenas agora dá sinais de retomada, mesmo assim de forma lenta e gradual.  Durante todo esse período, só não houve a completa interrupção das atividades pela utilização da tecnologia.

O Covid-19 trouxe então a mudança de paradigma. Para evitar a suspensão integral das atividades do Poder Judiciário, foram introduzidos no dia a dia forense os softwares de transmissão simultânea de imagem e vídeo. Cisco Webex, Google Meet, Zoom e Microsoft Teams, nomes até então desconhecidos para a maioria dos operadores do direito,  passaram a ser utilizados de forma frequente.

A realidade é que o chamado “Novo Normal” já está implantado e o “Juízo 100% digital” veio para ratificar os atos daqueles que buscaram a inovação e utilizaram a Pandemia para melhorar a gestão, aperfeiçoar os processos e rever a estrutura.

Trata-se de um movimento de todo o mercado. São diversas as notícias de empresas que não retomarão as atividades em seus grandes centros administrativos, refletindo no mercado imobiliário. O home office, que há muito era anunciado, se tornou realidade exigindo mudança de mindset dos gestores, que precisam inovar na forma de motivar e de se comunicar com a equipe.

Em que pese a evolução do formato digital ter sido experimentada durante a pandemia, o ambiente está sendo preparado há pelo menos 15 anos.

Ao buscar o histórico do Processo Judicial Eletrônico, constata-se que no ano de 2005, o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul adotou o processo eletrônico na 10ª Vara do Juizado Especial de Campo Grande. Em 2006, o Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba foi o primeiro a ter todas as suas varas em formato eletrônico, iniciando um movimento que se espalhou por todo o Poder Judiciário2.

No ano de 2006 foi editada a Lei 11.419, que “Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 – Código de Processo Civil; e dá outras providências”, já prevendo a comunicação eletrônica dos atos processuais.

Em 2012, O Conselho Superior da Justiça do Trabalho – CSJT, através da resolução Nº.94, regulamentou o PJe-JT no âmbito daquela justiça especializada.

O Conselho Nacional de Justiça, em 2013, editou a Resolução nº185, que objetivou “Instituir o Sistema Processo Judicial Eletrônico – PJe como sistema informatizado de processo judicial no âmbito do Poder Judiciário e estabelecer os parâmetros para o seu funcionamento”.

Em paralelo a estas resoluções, tramitava no Congresso Nacional desde o ano de 2010 o projeto do Novo Código de Processo Civil, sancionado em 16 de março de 2015 com diversas previsões de atos processuais em formato eletrônico. O Código menciona 82 vezes em seu texto a palavra “eletrônico”, além de citar em dez oportunidades a palavra “digital”.

Dentre esses dispositivos há o art. 193, que dispõe textualmente que “Os atos processuais podem ser total ou parcialmente digitais, de forma a permitir que sejam produzidos, comunicados, armazenados e validados por meio eletrônico, na forma da lei”.

Nesse sentido, já não se tem dúvidas quanto à existência da proteção jurídica necessária à completa digitalização do processo.

Ademais, a própria Constituição Federal garante em seus Direitos Fundamentais o Acesso à Justiça e à Duração Razoável do Processo. Em se tratando de um Poder Judiciário que já não consegue ter estrutura suficiente para dar efetividade a esses princípios, julgando em tempo razoável o elevadíssimo número de processos (conforme anualmente registrado no Relatório Justiça em Números, editado pelo próprio CNJ), a mudança de paradigma e a rapidez trazida pela tecnologia é fundamental.

A revolução tecnológica já atingiu as instituições financeiras, com as fintechs, bancos digitais e home brokers, o transporte público, com o Uber e similares, o turismo, com as agências digitais, Booking e afins. É a vez das Lawtechs e Legaltechs, cuja associação brasileira (AB2L) já contava, em 2019, com 150 startups3.



Pedro Marques

Coordenador do Departamento de LGPD do escritório Décio Freire Advogados.


Categorias
Notícias Na Midia
Matérias Recentes
STF DERRUBA HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA EM CASO DE JUSTIÇA GRATUITA CONCEDIDA AO AUTOR / EMPREGADO:

12 abril 2022

PAUTA VERDE DO STF E A PREMENTE DISCUSSÃO DE TEMÁTICAS AMBIENTAIS

Resolução ANM nº 95/2022: principais alterações

8 março 2022

Precisa
de ajuda ?

Solicite contato conosco