O Acordo de Não Persecução Penal e a Justiça Penal Negocial

Home / O Acordo de Não Persecução Penal e a Justiça Penal Negocial

O Acordo de Não Persecução Penal e a Justiça Penal Negocial

 

A Lei nº 13.964/2019, sancionada em 24 de dezembro de 2019 e intitulada “Pacote Anticrime”, dentre outras inovações, criou o Acordo de Não Persecução Penal (ANPP), inserido no artigo 28-A do Código de Processo Penal. O novo instituto alterou significativamente a modalidade de resolução conflitiva concernente à criminalidade de média potencialidade lesiva, em nítido fomento ao abandono da postura processual contenciosa, objetivando à implementação de uma justiça penal mais colaborativa.

A justiça consensual em âmbito penal não é novidade no ordenamento jurídico brasileiro, que prevê a figura da transação penal (constante do art. 76 da Lei nº 9.099/95), da suspensão condicional do processo (art. 89, também da Lei dos Juizados Especiais) e da colaboração premiada (artigo 4º da Lei 12.850/2013 – Lei das Organizações Criminosas). Com aquelas premissas, contudo, o ANPP não se confunde.

Concernente à suspensão condicional do processo, recebe-se a denúncia e suspende-se o feito, cumpridas as condições, julga-se extinta a punibilidade. O Acordo de Não Persecução Penal, por sua vez, pode vigorar antes ou depois do oferecimento da denúncia.

Nesta mesma toada, ademais, é que um dos requisitos para a realização do encimado Acordo perfaz-se apenas quando não for cabível a transação penal e quando o agente não tiver sido beneficiado pela transação ou suspensão condicional do processo nos cinco anos anteriores ao cometimento da infração em voga.

Outrossim, o novo instrumento processual mostra-se benéfico ao acusado, ampliando substancialmente as possibilidades para a realização de acordo com as autoridades públicas – mormente Ministério Público – antes de haver acusação formal quanto a prática de delitos.

Importa verificar, de pronto, que mesmo na seara criminal existem, atualmente, mecanismos que visam à desjudicialização, com o escopo de combater a prática do encarceramento desmedido. O Acordo de Não Persecução Penal trata-se, por conseguinte, nas palavras de Aury, de:

Poderoso instrumento de negociação processual penal que requer uma postura diferenciada por parte dos atores judiciários, antes forjados no confronto, que agora precisar abrir-se para uma lógica negocial.[1]

O instituto pode ser compreendido, destarte, como um ajuste celebrado, em determinadas condições e presentes os requisitos legais, entre o Ministério Público e o investigado devidamente acompanhado de seu advogado, por meio do qual são estipuladas premissas cujo cumprimento implicará no não ajuizamento da ação penal e na extinção da punibilidade.

Ressalte-se, quanto a este aspecto, a importante previsão legal acerca da imprescindibilidade da presença de defesa técnica ao acusado, objetivando resguardar os princípios constitucionais da ampla defesa e do contraditório (artigo 5º, inciso LV da Constituição Federal), garantias primordiais ao processo penal brasileiro.

Estabelece o referido artigo 28-A do CPP, que o Acordo será oferecido ao agente, não reincidente, quando a infração imputar pena inferior a quatro anos e desde que não envolva violência, grave ameaça ou crimes praticados no âmbito de violência doméstica ou familiar.

Aquele que assinar o Acordo fica sujeito a reparar o dano ou devolver o produto do crime à vítima, renunciar voluntariamente a bens e direitos indicados pelo Ministério Público, prestar serviço comunitário, pagar multa ou cumprir, por prazo determinado, outra condição indicada pelo Ministério Público, desde que proporcional à infração penal cometida. Ademais, é necessária a confissão formal e circunstanciada do investigado.

Cumpridos os requisitos, portanto, é direito subjetivo do indivíduo o oferecimento do ANPP, não podendo, o Estado, furtar-se a concedê-lo por mero arbítrio.

A justiça penal negocial é, portanto, uma tendência no mundo contemporâneo[2] que tenciona priorizar a solução consensual de conflitos e a diminuição da máquina judicial, assim como das sanções que restrinjam a liberdade do indivíduo, mormente para as infrações penais de pequeno e médio potencial lesivo.

[1] LOPES JUNIOR, Aury. Sistemas de Investigação Preliminar no Processo Penal. 6a ed. São Paulo: Saraiva,

2016, p. 224.

[2] Países como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e França, embora possuam sistemas jurídicos distintos, divididos entre o Common Law e Civil Law, já adotam modelos desta nova política criminal.



Juliana Campos de Carvalho


Categorias
Notícias Na Midia
Matérias Recentes
STF DERRUBA HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA EM CASO DE JUSTIÇA GRATUITA CONCEDIDA AO AUTOR / EMPREGADO:

12 abril 2022

PAUTA VERDE DO STF E A PREMENTE DISCUSSÃO DE TEMÁTICAS AMBIENTAIS

Resolução ANM nº 95/2022: principais alterações

8 março 2022

Precisa
de ajuda ?

Solicite contato conosco